Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
Não devemos usar nem dizer o nome de Deus em vão

 
Imagem
O nome de Deus e a fé são a mesma coisa?
Chegamos ao segundo mandamento da lei de Deus em nossa série de textos sobre o Sacramento da Confissão: “Não tomarás Seu Santo Nome em vão!”. Nele se encerra um mistério profundamente belo, e eu estava ansioso para chegar o dia de poder partilhá-lo com você. Vamos lá! Deus fez muitas e incontáveis obras maravilhosas. A primeira delas, com certeza, foi a criação do universo. Tudo o que existe está seguro em Suas mãos, porém, houve uma outra criação de Deus ainda mais bela que a criação de tudo: a encarnação de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Lembre-se: foi por isso que mudamos a honra a Deus, que era no sábado, para domingo, o dia da Ressurreição. Passamos a gravitar em torno de Cristo, e não mais dos sinais antigos. Essa mudança começou pelo povo, e alguns anos depois a Igreja a oficializou.

Não tomarás o Nome de Deus em vão!
De que vale o nome de uma coisa ou alguém? O modo usual de as pessoas aprenderem as coisas é começando pelo nome. Ao ver um objeto, e não sabendo o que é, logo vem a pergunta: “o que é isso?”. Ao definir o que é, já é possível começar a entendê-lo.

No tempo de Jesus, ao contrário de hoje, pelo nome já havia indicações mais precisas de quem era a pessoa. Por exemplo: Pedro significando pedra. Hoje em dia, isso se perdeu, os nomes são mais arbitrários.

Com as coisas, o nome já começa a revelar o que ela é, mesmo que não haja um conhecimento completo. Foi pensando assim que Adão deu nome aos animais, conforme a narrativa do Gênesis. Ele compreendia o que era, e assim lhe punha um nome próprio.

Na oração do Pai-Nosso, encontramos sete pedidos que, assim como nos mandamentos, vão do mais importante ao menos importante. Abaixo de “Pai nosso que estais no céu” já está o primeiro pedido, logo, o mais importante: “santificado seja o Teu Nome”. Jesus, ao ter completado Sua missão como Filho de Deus fisicamente entre nós, em Sua oração diz: “Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste” (Jo 17,6). Em outra passagem temos: “E tudo o que pedirdes ao Pai em meu nome, vo-lo farei, para que o Pai seja glorificado no Filho” (Jo 14,13).

E a presença da fé?
Há algo que parece começar a se tornar claro por essas passagens, é que o nome de Deus e a fé são a mesma coisa. Quando Hugo de S. Vitor (sec. XII) interpreta o Pai-Nosso, ele diz que o Nome de Deus é a fé.

Já tratamos bastante sobre a fé nas semanas anteriores, mas podemos ir ainda mais longe. A fé, durante a nossa vida neste mundo, faz as vezes da visão beatífica, pois, na vida eterna, veremos Deus e não será preciso mais a fé. Mas, neste mundo, a fé é o nosso modo de ver Deus. Ela é o modo que temos para conhecer Deus, é o Nome d’Ele.

Quando cremos, estamos em contato físico com Deus, mas para isso é preciso que Ele nos ajude. Nós não somos capazes de produzir a fé. Toda e qualquer manifestação de fé em nós é ajudada pela mão de Deus por meio de Sua humanidade encarnada e ressuscitada.

“Se vós, pois, que sois maus, sabeis dar boas coisas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai celeste dará boas coisas aos que lhe pedirem” (Mt 7,11). A primeira manifestação do Espírito Santo é justamente na fé.

É fundamental pedir a Deus a graça da fé todos os dias. Pedindo com fé, ainda que seja pequena, Deus nos dá mais. Sendo assim, subimos de uma fé menor para uma fé maior.

A nossa mente começa a se abrir aos mistérios de Deus, porque Ele mesmo vai como que nos iluminando e convidando a percebê-lo. Pedir o dom da fé é absolutamente indispensável!

Salomão pediu Sabedoria para Deus (II Crônicas 1) em vez de riquezas ou a morte de seus inimigos, pois a sabedoria é a manifestação mais elevada da fé. Por isso Deus se alegra com seu pedido e lhe concede prontamente.

O desenvolvimento da fé se dá à medida que a recebemos. Ela mesma nos convida a procurar adquirir as virtudes cardeais. Ela nos ajuda com as virtudes infusas. Vamos crescendo numa vida cada vez mais cristã, afastando-nos dos pecados, amando mais a Deus.

Necessário também meditar sempre nas Sagradas Escrituras, pois ela existe para alimentar a nossa fé. “Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4,4). Precisamos ter contato com a Palavra de Deus, dos escritos dos Santos Padres, para procurar, por meio da meditação, o sentido mais íntimo e profundo dos ensinamentos ali colocados. O Senhor nos envia a Sua graça para fazer esse contato, pois estamos buscando a verdade. São Tomás nos ensina que a Bíblia é composta da letra impressa para a revelação externa de Deus, assim como na perfeição da natureza. Porém, quando meditamos nos seus ensinamentos e histórias, passamos a ter a revelação interna. Ali encontramos as verdade de fé que nos iluminam a crer melhor. Também os ensinamentos dos santos são um convite para alimentar a nossa fé.

“E Jesus dizia aos judeus que nele creram: permanecerdes na minha palavra, sereis meus verdadeiros discípulos. Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8,31-32).

Essa palavra que liberta é a revelação interna. Para recebê-la, é preciso antes acreditar, ter fé. Meditando com frequência, procurando as verdades que a Sagrada Escritura nos tem para revelar, crescendo na vida de oração e na fuga dos pecados, significa que estamos conhecendo cada vez mais Deus. Essa palavra interior é o próprio Cristo e é o Nome de Deus.

O terceiro mandamento está pedindo que rezemos; o segundo já nos pede para que nos acostumemos a permanecer no Nome de Deus. Isso é ter intimidade com Ele. Não é possível, nessa vida, termos uma intimidade com Deus maior que aquela que conseguimos por meio do conhecimento gradativo do Seu Nome, que é a fé. Maior que isso só o céu.

Ainda não acabou. Semana que vem vamos adentrar um pouquinho mais no mistério do segundo mandamento.

Roger de Carvalho

Roger de Carvalho, natural de Brasília – DF, é membro da Comunidade Canção Nova desde o ano 2000. Casado com Elisangela Brene e pai de dois filhos. É estudante de Teologia e Filosofia.
 
 
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.