Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
Hino JMJ 2019 em português: Ziza Fernandes comenta trabalho realizado

 
Imagem
Cantora conta como foi a experiência de coordenar a versão e gravação do hino e ressalta a importância que ele tem na JMJ
Jéssica Marçal
Da Redação

Jovens brasileiros e de vários países de língua portuguesa já podem entoar o hino da Jornada Mundial da Juventude 2019 (Panamá), cuja versão em português foi apresentada nesta segunda-feira, 14. A cantora Ziza Fernandes, junto à Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), coordenou a versão bem como a gravação do videoclipe. Para ela, foi uma experiência de extrema responsabilidade e confiança.

“Foi um frio na barriga, na espinha, de medo de errar!”, brincou a cantora, dizendo que nunca esperava um convite desse por parte do Comitê Central. “Fiquei muito feliz e honrada de ser convidada”.

Cinco artistas do mundo todo foram convidados para fazer as versões do hino nos idiomas oficiais da Jornada e, entre eles, Ziza foi convidada para a versão em português. “Foi uma oportunidade de voluntariado única, eu não tinha nem como dizer não”, relata a cantora, que desde outubro do ano passado vem trabalhando na versão do hino.

Segundo Ziza, no mínimo 100 pessoas estiveram envolvidas nesse trabalho: só de artistas, foram 29, além da equipe dos Jovens Conectados – site da comissão da CNBB para a juventude – e instrumentistas. A comunicação e o alinhamento das agendas de todos os envolvidos foram fatores elencados por Ziza como um dos desafios.

“Cada fase tem um desafio diferente (…) A primeira dificuldade foi a normal, de comunicação, de encontrar todos, estabelecer diálogo. O próximo foi encontrar a data comum entre todos (…) Veio gente de muito longe para gravar o hino: do Ceará, do interior de São Paulo, do Paraná, do Rio Grande do Sul”, exemplifica.

Mas em meio às dificuldades, um ponto facilitador foi a generosidade dos envolvidos. “A generosidade e simplicidade de todos os artistas, sem exceção, foi muito facilitadora do caminho. Foram dias lindos, de muita colaboração de todos. Foi realmente um espírito de Jornada Mundial. As dificuldades foram grandes, mas vencidas pela generosidade mútua”.

A importância do hino na JMJ
O hino da JMJ já é um aspecto tradicional, em especial no caminho de preparação da juventude para o evento. Para Ziza, o hino é aquele fator que abre esse caminho, motivando as pessoas a ter uma experiência marcante, e justamente por isso ele é pensado em todos os idiomas oficiais do evento.

“O hino é o porta-voz da experiência máxima da Jornada, é como se ele carregasse o fio de ouro de toda uma experiência que vai ser vivida por milhares e milhares de pessoas. É de uma responsabilidade grande fazê-lo ser conhecido”.

Além disso, o hino é sempre um ponto marcante na experiência vivida no evento. Ziza partilha, por exemplo, a experiência que ela mesma teve quando cantou a parte em português do hino da JMJ no Canadá (2002), para o então Papa João Paulo II.

“Cada vez que eu escuto esse hino eu me remeto a uma experiência fortíssima, a uma entrega, a uma mudança de vida, aquele hino marcou a minha vida para o resto da minha história. O hino também tem uma função histórica, de marco biográfico na vida de uma pessoa. Nunca mais ela esquece aquela canção, porque aquela canção vai colorir uma experiência com Deus, é como se fosse realmente uma trilha sonora de um marco na vida de milhares de jovens”, concluiu.

Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.