Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
Como aconteceu o processo de conversão de São Paulo?

 
Imagem
Vivamos a conversão, assim como São Paulo

O que entendemos por conversão? Será que essa palavra tem apenas um cunho religioso, ou podemos dizer que pode ser usada, também, em outro contexto? E sendo usada em outro contexto, ela pode ser usada também em cunho religioso? Parece confuso, mas a palavra conversão, na maioria das vezes é compreendida de maneira equivocada.

Quando falamos da conversão de São Paulo, quando falamos que “fulano de tal” se converteu, ou coisa parecida, falamos com um certo preconceito, ou seja, um conceito já pré-estabelecido dentro de nós. Falar de conversão em ambos os sentidos, religioso ou noutro contexto, não é falar de pegar sentido inverso ao caminho até então feito, mas falar de um retorno às origens. E foi justamente isso, que aconteceu com São Paulo na estrada de Damasco, como relata o capítulo 9 dos Atos dos Apóstolos.

Quem foi Paulo?

Paulo, na verdade, não pegou um caminho inverso, mas retornou às suas origens, para aí sim, poder trilhar um caminho que o levaria à meta do ser humano. Ou seja, viemos de Deus e voltaremos para Deus, como canta a liturgia da Igreja, que temos uma origem divina e um destino divino.

Falar de destino aqui, nada tem a ver com predestinação na qual não temos escolha, e que somos por Deus “escravizados ou condenados” a este destino, ou seja, estaríamos presos neste mundo esperando essa condenação predestinada. Na verdade, quando a Igreja diz de “destino divino”, ela fala justamente que, um dia, pouco tempo depois da nossa morte, quando nosso corpo ainda estiver quente, nós já estaremos diante do Justo Juiz, Nosso Senhor Jesus Cristo, para sermos, por Ele julgados. Neste sentido entende-se que saímos de Deus, nossa origem divina, pois por Ele fomos criados, e um dia estaremos diante d’Ele, mas não mais aqui nesta terra, e sim no nosso destino divino, para que lá possamos ser julgados pela vida que tivemos enquanto membros deste mundo passageiro.

Paulo, naquele bendito dia em que cai do cavalo, fica cego, e escuta a voz do Senhor dizendo: “Por que me persegues?”, ele tem o seu encontro pessoal com Jesus, e isso o faz voltar ao caminho da sua origem divina, para que esse caminho o levasse ao seu destino divino, o encontro derradeiro com Jesus Juiz. Conversão, no sentido religioso, não acontece apenas com uma atitude moral de, isso pode, isso não pode; nem mesmo com leis e doutrinas a serem obedecidas; mas com um autêntico encontro pessoal com Jesus, como nos ensina Bento XVI na encíclica “Deus caritas est”(Deus é amor). Conversão como a de Paulo de Tarso, é possível somente quando encontramos Aquele que nos criou (origem divina), o qual nos mostra a nossa meta, o Céu (destino divino).

Viva um caminho de conversão

Conversão é voltar à estrada que o pecado nos tirou. Conversão, como aconteceu com Paulo, é nos fazer ver Jesus no nosso caminho. Conversão é decisão de trilhar um caminho de vida, e não mais de morte como era antes o de Paulo. Conversão é saber ser criado por Deus, amado por Ele, e querer morar eternamente com Ele no Céu. Conversão é dizer com a vida, que estamos aqui somente de passagem, e que por isso, nada daquilo que é passageiro, poderá roubar-me o Céu. Conversão é dizer, sou de Deus, pois dele eu vim, e um dia eu quero voltar definitivamente para Ele.


Padre Anderson Marçal

Anderson Marçal Moreira é padre da Igreja Católica Apostólica Romana. Natural da cidade de São Paulo (SP), padre Anderson é membro da comunidade Canção Nova desde o ano 2000. No dia 16 de dezembro de 2007, foi ordenado sacerdote. Estudou Teologia Pastoral Bíblica-Litúrgica na Universidade Salesiana de Roma.
 
 
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.