Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
Como posso usar as redes sociais sem denegrir a minha imagem?

 
Imagem
Há uma confusão entre o que é público e o que deve ser privado

Muito se falou da “era da imagem” e de sua exaustiva preocupação com a estética, com as formas, os brilhos e as luzes. Muita gente foi atrás dessa busca por uma imagem perfeita e uma forma agradável para os olhos de terceiros. Muita gente se perdeu na luta frenética, para ter a “imagem mais atraente”, mais desejada e cobiçada.

Embora não tenhamos saído da “era da imagem”, já começamos a viver o drama de outra era: “a era da exposição”, a necessidade obsessiva de ser notado, a compulsão por “likes” e “compartilhamentos” daquilo que foi exposto. E que angústia quando aparece um “nada” de visualizações naquilo que colocamos na internet para ser notado e compartilhado!

Pode até parecer piegas, mas as pessoas se esqueceram de que temos uma imagem com quem nos comparar, pois somos a imagem perfeita de Deus, e Ele nos nota, Ele nos vê. Somos imagens d’Ele! O Senhor nos “curte” e quer “compartilhar” conosco Sua vida, que é verdadeira, e não uma ficção barata de seriado com roteiros confusos. Há pessoas que esquecem isso tudo e ficam mendigando um “like” numa foto sensual que colocou de si mesma na rede.

Cresce, a cada dia, o número de fotos sensuais nas redes de relacionamentos. Há uma confusão entre o que é público e o que deve ser privado. As pessoas colocam “suas belezas” nas redes e transformam histórias lindas em um the end triste e vazio. Em busca de um desejo insaciável de serem notadas, há pessoas que estão se “vendendo” em busca de atenção e reconhecimento.
O desejo de ser notado

O que move esse desejo de ser notado? O que está por trás de alguém que se expõe de tal maneira? O que rola nessa mente e nesse coração?

Não tenho receio de dizer que é o desejo de escutar: “Como você é bom! Como você é belo! Como você é…” No entanto, mesmo escutando ou lendo tudo isso, por que ainda permanece esse desejo e tem-se, cada vez mais, necessidade dele? Resposta simples: na era da exposição, a insegurança é o maior sintoma; a dúvida e a incerteza de ser quem é continua no coração daquele que não foi conquistado pelo amor de Deus. Na foto sensual de alguém na internet ou no vídeo obsceno que foi postado, está mais que uma opção pelo pecado, há um coração querendo aprovação e uma alma ferida querendo cura.

Se pornografia era algo comprado na banca de revistas da esquina ou alugado numa locadora – escolhido numa sala onde havia o escrito “proibido para menores de 18” –, hoje, basta passar 10 minutos no mundo virtual e haverá centenas de estímulos para acessar algo que fere a imagem do corpo e da sexualidade.

O pior é quando você tem, na timeline das suas redes sociais, uma avalanche de fotos e vídeos de pessoas desejosas de “likes”, as quais, infelizmente, ficaram apenas com o corpo para ser exposto, tentando um pouco de atenção!

É momento de “expor” os valores e a verdadeira beleza de alguém que foi conquistado pelo amor de Deus. A cada foto postada ou vídeo enviado, deve haver uma boa pergunta: “Qual a necessidade por trás dessa foto ou desse vídeo?”.

Sua timeline fala daquilo que o seu coração está cheio!

Tamu junto!

Adriano Gonçalves

Mineiro de Contagem (MG), Adriano Gonçalves dos Santos é membro da Comunidade Canção Nova.
 
 
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.