Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
Papa Francisco reza no Memorial das vítimas do genocídio armênio

 
Imagem
No Memorial, o Papa Francisco depositou uma coroa de flores e diante da chama perpétua, rezou a oração do Pai Nosso

Da redação, com Rádio Vaticano

O primeiro compromisso do Papa Francisco, no segundo dia de sua visita à Armênia, neste sábado, 25, foi a visita ao Memorial dedicado às vítimas do massacre da população armênia pelo Império turco-otomano em 1915.

Localizado na “colina das andorinhas”, em Tzitzernakaberd e inaugurado em 1967, o local foi enriquecido em 1995 por ocasião do 80º aniversário dos massacres com um Museu, que conserva testemunhos e documentos sobre os massacres.

No Memorial, o Santo Padre e Karekin II foram acolhidos pelo Presidente, com o qual percorreram a pé a última parte do trajeto que leva ao monumento, onde o Papa depositou uma coroa de flores. Um grupo de crianças portava imagens dos mártires de 1915. Diante da chama perpétua foi rezado o Pai Nosso.

Após a oração do Pai Nosso diante da “chama perpétua”, foram proclamadas duas leituras: a primeira tirada do Livros dos Hebreus, ‘Tivestes que suportar uma dura luta’, e a segunda do Evangelho de João, ‘Tudo o que pedirdes em meu nome, eu o farei’.

Ao final, o Papa pronunciou a Oração de intercessão:

Cristo, coroa os teu Santos
e cumpre a vontade de teus fieis e olhas com amor e doçura às tuas criaturas,
escuta-nos dos céus da tua santidade,
por intercessão da Santa Mãe de Deus,
pelas súplicas de todos os teus santos,
e daqueles de quem hoje é a memória.
Ouvi-nos, ó Senhor e tem piedade,
Perdoai-nos, expia e perdoa os nossos pecados.
Faze-nos dignos para glorificar-te
com sentimentos de graças, junto ao o Pai e ao Espírito Santo,
agora e sempre, pelos séculos dos séculos
Amém.

O Papa, o Catholicos e o Presidente armênio transferiram-se então para a esplanada do Museu do Memorial. Ao longo do percurso no jardim, o Santo Padre regou uma árvore, como gesto simbólico da visita.

Na esplanada, o comovente encontro com cerca de dez descendentes de perseguidos armênios, que na época foram salvos e acolhidos na residência de verão dos Papas de Castel Gandolfo pelo Papa Pio XI.

Antes de despedir-se, o Papa Francisco assinou o Livro de Honra, onde escreveu: “Aqui rezo com dor no coração, para que nunca mais existam tragédias como essa, para que a humanidade não se esqueça e saiba vencer o mal com o bem. Deus conceda ao amado povo armênio e ao mundo inteiro a paz e a consolação. Que Deus guarde a memória do povo armênio. A memória não deve ser diluída nem esquecida, a memória é fonte de paz e de futuro”.
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.