Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
Papa recebe corpo diplomático em audiência

 
Imagem
Francisco fala da realidade migratória em tradicional encontro com embaixadores

O papa Francisco recebeu, nesta segunda-feira, 11, os membros do Corpo Diplomático acreditado junto à Santa Sé para as felicitações de Ano Novo. A audiência ocorreu na Sala Regia do Palácio Apostólico Vaticano. O evento é considerado uma das audiências de maior abrangência diplomática, política e social do ano.

Francisco ressaltou em seu discurso os sinais positivos que caracterizaram 2015 para a Santa Sé, como os inúmeros acordos internacionais ratificados, que demonstram “que a convivência pacífica entre membros de religiões diferentes é possível”.

O pontífice destacou as convenções específicas em matéria de tributação assinadas com a Itália e os Estados Unidos da América, “que demonstram o crescente empenho da Santa Sé em prol de uma maior transparência nas questões econômicas” e os acordos de “carácter geral”, visando regular aspectos essenciais da vida e da atividade da Igreja nos diferentes países, como o assinado em Díli com a República Democrática de Timor-Leste.
Migrantes

O papa alertou os embaixadores sobre o “espírito individualista” que é terreno fértil para “medrar aquele sentido de indiferença para com o próximo”. Neste sentido de indiferença, recordou-lhes a imagem dos últimos da sociedade, dos quais ressaltou os migrantes, “com o peso de dificuldades e tribulações que enfrentam diariamente à procura, por vezes desesperada, de um lugar onde viver em paz e com dignidade”.

Francisco, propôs a reflexão sobre “a grave emergência migratória que temos estado a enfrentar, para discernir as suas causas, projetar soluções, vencer o medo que inevitavelmente acompanha um fenômeno assim grande e impressionante que, durante o ano de 2015, interessou sobretudo a Europa, mas também várias regiões da Ásia e o Norte e Centro da América”, frisou.

Falando do grito de Raquel ou da voz de Jacó, o Papa comentou as razões que levam à fuga milhões de pessoas: conflitos, perseguições, miséria extrema e alterações climáticas. Razões estas que são resultado da “cultura do descarte” e da “arrogância dos poderosos”, sacrificando homens e mulheres aos ídolos do lucro e do consumo.

“Onde é impossível uma migração regular, denuncia o Papa, os migrantes vêem-se muitas vezes forçados a se dirigirem a quem pratica o tráfico ou o contrabando de seres humanos”. As dramáticas imagens das crianças mortas no mar testemunham “os horrores que sempre acompanham guerras e violências”.

Francisco explicou que a Santa Sé espera que a I Cimeira Humanitária Mundial, convocada pelas Nações Unidas para o mês de maio, possa ter sucesso “na sua pretensão de colocar a pessoa humana e a sua dignidade no coração de cada resposta humanitária”.

“É preciso um compromisso comum que inverta decididamente a cultura do descarte e da violação da vida humana, para que ninguém se sinta negligenciado ou esquecido nem sejam sacrificadas mais vidas pela falta de recursos e sobretudo de vontade política”, afirmou o pontífice.

Também recordando os inúmeros refugiados que chegaram à Europa, o papa desejou reiterar a convicção de que o velho continente, ajudado pelo “seu grande patrimônio cultural e religioso”, possui os instrumentos para defender a centralidade da pessoa humana e encontrar o justo equilíbrio entre os deveres, moral de tutelar os direitos dos seus cidadãos, e o de garantir a assistência e o acolhimento dos migrantes.

Francisco também manifestou gratidão a respeito das iniciativas tomadas para favorecer a recepção digna das pessoas em situação de migração.
Temáticas

Francisco falou em seu discurso sobre as viagens apostólicas, seus contextos e implicações, e sobre a necessidade da paz diante da ameaça nuclear.

Como desafios à paz, elencou as tensões no Golfo Pérsico, a ameaça nuclear norte-coreana, o terrorismo internacional, "que ceifa inumeráveis vítimas" na Síria, na Líbia, no Iraque e no Iêmen, e o interminável conflito médio-oriental.

Por fim, Francisco garantiu aos embaixadores a total colaboração da Santa Sé no âmbitol diplomático: “A Santa Sé jamais deixará de trabalhar para que a voz da paz possa ser ouvida até aos últimos confins da terra. Assim, renovo a plena disponibilidade da Secretaria de Estado para colaborar convosco, com a íntima certeza de que este ano jubilar poderá ser a ocasião propícia para que a fria indiferença de tantos corações seja vencida pelo calor da misericórdia”.

De acordo com a Rádio Vaticano, a Santa Sé mantém, no total, relações diplomáticas com 180 países.

Com informações da Rádio Vaticano
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.