Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
“Saúde é direito humano, não é favor”, afirma dom Guilherme Werlang

 
Imagem
“Saúde é direito humano. Se é um direito, não é favor. Se não é favor, não poderia ser nem barganha, nem promessa política”, afirmou o bispo de Ipameri (GO) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, dom Guilherme Antônio Werlang, durante o lançamento do projeto “Direitos Sociais e Saúde – Fortalecendo a cidadania e a incidência política”. O evento aconteceu na última terça-feira, dia 18, em Brasília (DF).

O projeto, lançado durante a reunião dos coordenadores das Pastorais Sociais da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), tem o objetivo de melhorar o acesso de grupos mais vulneráveis aos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) por meio de formações e articulações voltadas para assegurar o cumprimento da norma constitucional que garante o direito à saúde pública de qualidade.

O projeto é uma iniciativa do Programa Justiça Econômica e envolve uma parceria com a Pastoral da Saúde Nacional, o Gritos dos Excluídos Continental, as Pastorais Sociais da CNBB e a Comissão Brasileira de Justiça e Paz (CBJP). O financiamento da ação tem apoio da União Europeia e da Agência Católica para a Cooperação Internacional da Inglaterra e País de Gales (Cafod).

Dom Guilherme Werlang justificou o apoio da Comissão Episcopal no caráter de defesa dos mais carentes. “Este projeto evangelicamente quer privilegiar as populações mais carentes, desassistidas, aquelas e aqueles que foram os prediletos de Jesus. Aí reside a sua urgência e sua importância e nosso apoio”, disse.

Pastoral da Saúde

Elemento chave na implantação do projeto, a Pastoral da Saúde disporá de seus agentes para fazer com que as formações a respeito do direito à saúde gerem ações nas comunidades e instâncias governamentais. Neste contexto, o bispo de Itumbiara (GO) e referencial da Pastoral da Saúde, dom Antônio Fernando Brochini, acredita que haverá um novo fôlego e ânimo para os agentes, o público-alvo do projeto. “Acreditamos que vamos acender algo que estava adormecido em alguns de nossos agentes. Nossa igreja precisa de novas estruturas. Nosso compromisso com a saúde é intrínseco. Estamos juntos para uma nova consciência”, ressaltou.

O projeto

O coordenador geral do projeto, Luiz Bassegio, explicou que, por meio de formações, os moradores das comunidades atendidas pela iniciativa poderão fiscalizar e cobrar com mais propriedade e conhecimento as questões relacionadas à gestão da saúde pública. Um dos focos da ação é promover o controle e a gestão social da saúde.

A implementação do projeto Direitos Sociais e Saúde foi iniciada na comunidade Cantinho do Céu, localizada na região de São Bernardo do Campo (SP), e em dois bairros de Natal (RN). Haverá ainda incidência política em Brasília. A intenção é que a aplicação seja realizada nos próximos três anos por meio da Pastoral da Saúde, do Grito dos Excluídos Continental, das Pastorais Sociais e da CBJP.

A ação na capital federal, inclusive, corresponde a um dos desafios do projeto, de acordo com análise do economista Guilherme Delgado. Há uma agenda de articulações políticas, segundo o especialista, para “desmontar” o sistema de proteção social básico. “Não fiquemos quietos. Direito social não é construção da natureza, é construção da cultura humana. Ele precisa ser reconstruído e vigiado", enfatizou.

SUS

A vice-presidente do Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes), Isabela Soares, considera importante valorizar o SUS. Para ela, isto deve ser feito a partir de estratégias que garantam o serviço de saúde para toda a cidadania, uma vez que a maioria das pessoas usam o sistema em algum momento da vida. “Incentivados a procurar um plano de saúde, as pessoas deixam de valorizar o sistema de saúde pública”, sustenta Soares. “Então é um estelionato que se pratica contra o povo brasileiro, quando toda classe trabalhadora tem plano de saúde, briga pelos planos de saúde e deixar de brigar pelo SUS”, afirmou.

Cooperação

O chefe da seção de desenvolvimento e cooperação da União Europeia no Brasil, Thierry Dudermel, destacou o apoio do bloco europeu no fortalecimento de laços com as organizações da sociedade civil por meio do diálogo. Para o representante, “estas parcerias e a cooperação são essenciais para a produção do desenvolvimento sustentável”.
 
 
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.