Paróquia São Francisco de Assis
 

PESQUISAR

Digite a palavra ou frase de seu interesse:
 

LITURGIA DIÁRIA

 

ACERVO

 

WEB TV

Web TV
 

DESTAQUES

 

FOTOS EM DESTAQUE

 
Café e fígado

 
Imagem
Dr. Raymundo Paraná é professor associado e livre-docente de hepatologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal da Bahia e chefe do serviço de hepatologia do Hospital Universitário da UFBA.

O café é bebida milenar originária do Oriente Médio e da Etiópia. O seu consumo mundial diário é estimado em 2,25 bilhões de taças em todos os continentes, ou seja, 7.000.000 de toneladas por ano. O Brasil se destaca como um dos principais produtores e também como mercado consumidor.

O café contem a cafeína, uma meta-xantina também encontrada em chás e outras plantas. Faz tempo que se conhecem as propriedades estimulantes da cafeína para o cérebro humano, como também a possibilidade de gerar insônia ou arritmia cardíaca em alguns indivíduos que consomem a bebida em excesso ou possuem susceptibilidade genética a estes efeitos. Por outro lado, recentemente, o café foi cientificamente estudado quanto aos seus efeitos em outros órgãos e sistemas.

No fígado, os estudos científicos têm demonstrado os benefícios desta bebida na prevenção de doenças hepáticas e também no tratamento adjuvante de diversos agravos hepáticos.

No tratamento da hepatite C, o consumo de duas a cinco xícaras de café por dia é recomendado por especialistas, pois foi observado melhor chance de resposta ao tratamento antiviral.

Mais recentemente, observou-se que a cafeína se liga aos receptores de uma molécula chamada Adenosina. Este aspecto faz reduzir o mecanismo de fibrogênese hepática gerada por agressões – de qualquer natureza – ás células do fígado. Torna-se, portanto, um agente possivelmente antifibrosante, reduzindo assim a evolução das doenças hepáticas para a Cirrose.

O NIH (Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos), importante órgão de pesquisa médica, estudou 219 indivíduos e observou uma relação inversa entre o consumo de café e a mortalidade. Isso significa que aqueles que consumiam o café viviam mais do que os que não o consumiam. Comparando-se o consumo de café e de chá verde em pacientes consumidores de álcool, observou-se que o café melhorava as taxas do fígado, enquanto o chá verde não tinha qualquer efeito.

Outro estudo com 1176 trabalhadores mostrou que os níveis de GGT (enzima hepática) estavam reduzidos naqueles que consumiam moderadamente o café comparado aos que não o consumiam. Já em 740 pacientes com doença do fígado pelo consumo exagerado de álcool, demonstrou-se que aqueles que bebiam café tinham significante redução no risco do desenvolvimento de cirrose hepática.

Em outro estudo, o consumo regular do café em pacientes obesos com outro tipo de doença hepática associada à obesidade e a dislipidemia, chamada Esteato-hepatite Não Alcoólica (NASH), muitas vezes associada ao Diabetes, revelou que a esteatose hepática é menor nos que consumiam café comparado àqueles que não o consumiam.

Nos pacientes que submeteram a cirurgia bariátrica, aqueles que consumiam café tinham um escore de fibrose hepática menos avançada do que aqueles não o consumiam.

Na hepatite C, um estudo longitudinal envolvendo 776 pacientes tratados em longo prazo com baixa dose de Interferon com intuito de reduzir a evolução da doença hepática, o consumo do café associou-se com menor resistência insulínica e lesão hepática mais leve na avaliação das biopsias do fígado.

Comparando-se aqueles que consumiam mais de três xícaras de café por dia com aqueles não consumiam café, havia uma nítida relação positiva do uso do café no menor risco de evolução da doença. Essa relação também foi estudada com o chá verde e com o chá preto, todavia não se encontrou evidencias positivas no uso dessas duas bebidas. Aliás, há farta documentação implicando o chá verde em toxicidade, sobretudo quando prescrito em formulações ou consumido em excesso.

Mais recentemente, usando-se um moderno método de avaliação da fibrose hepática, chamado Fibroscan (método não invasivo que substitui a biopsia do Fígado), observou-se que o consumo do café em portadores de hepatite B associou-se ao menor escore de fibrose no Fibroscan.

Num estudo no Japão, envolvendo mais de 20.000 pacientes com doença hepática crônica, foi observado que aqueles que consumiam café tinham o seu risco de câncer primário de fígado reduzido.

Uma meta-analise envolvendo dezesseis estudos confirmou que o risco do desenvolvimento do câncer de fígado entre aqueles que consumem café é reduzido comparado aos que não o consumiam.

Assim sendo, não há qualquer evidencia cientifica que demonize o café como inimigo do fígado como, infelizmente, circula na internet ou em algumas práticas médicas dissociadas da ciência.

Como medicina não é seita, medicina é ciência, todos os jargões que santificam o chá verde e demonizam o café não passam de práticas sem crivo científico e que precisam ser coibidas no nosso País. Infelizmente, a fácil circulação de informações na internet e outros meios de comunicação geram falsos conceitos e fazem vítimas entre indivíduos de boa fé.

Enquanto alguns alardeiam os benefícios do Chá Verde, a literatura médica é repleta de casos de toxicidade por esta bebida, pois o seu princípio ativo, a catequina, é comprovadamente tóxica para o fígado, inclusive porque é um agente pró-oxidante e não antioxidante como dizem aqueles que não respeitam a medicina baseada em evidencia cientifica. Já o café, basta ter acesso às fontes confiáveis de ciência médica para observar que não existem justificativas para tratá-lo como um “ inimigo do Fígado”.
 
 
Comentários: Seja o(a) primeiro(a) a deixar um comentário!
Imprimir
Comentar

CADASTRAR-SE

Cadastre seu e-mail para receber nossas atualizações:
 

INFORMATIVO

 

NOTÍCIAS

 

WEB RÁDIO

Web Rádio
 

DESTAQUES

 

VÍDEO EM DESTAQUE

It was much more of an odd piece than a practically rolex replica sale useful one, and hence it had not received instant recognition or success. It has to be noted though that replica watches uk at the time of its creation in the middle of the 1950's intercontinental business trips were much less common than rolex replica sale they are today, which rendered this watch less desirable than its similarly expensive counterparts which were equipped with other useful complications as judged by contemporary standards. In any event the original Patek Philippe World Timer is a complicated piece unto itself. The ingenious world time disc-system was invented by Louis Cottier in 1931 was later replica watches implemented by Patek, Vacheron Constantin, Rolex, and others. As times have changed, not only did this complication rolex replica uk become one of the most popular useful functions, but the reference 2523 has also become much more appreciated among collectors, as seen by the seven figure prices these replica watches uk world timers consistently achieve at auctions.